Lifestyle

Por Redação 11.06.2018

Como ser uma mulher empoderada, segundo os princípios da Kabbalah

A Kabbalah, filosofia originada do judaísmo, acredita que todos temos um papel no mundo em busca da paz, mas, muita vezes, forças físicas nos impedem de alcançar esse objetivo.

Especialista no tema, Batya Solomon afirma que para as mulheres, em particular, a tarefa é ainda mais difícil. Em uma sociedade na qual a espera da aprovação e do apoio de pessoas ao redor são traços enraizados, as mulheres, também educadas para agradarem as presenças masculinas ao redor (maridos, namorados, filhos ou chefes), acabam recorrendo a forças externas ao invés de aprenderem a buscar as energias interiores.

Batya, professora americana da Kabbalah, está pela primeira vez no Brasil para dar palestras em São Paulo e no Rio de Janeiro sobre o empoderamento feminino, segundo os princípios da filosofia. As diferenças em relação às abordagens tradicionais são claras – e até polêmicas.

“A Kabbalah não acredita nesse termo”, diz Solomon sobre o feminismo. “Para nós, esse é um passo atrás para as mulheres, porque não há nada que elas precisem que já não esteja dentro delas”.

Como ser uma mulher empoderada segundo os preceitos da Kabbalah? RG bateu um papo com Batya para entender as ideias da filosofia para o empoderamento feminino e explica tudo em cinco passos.

1. Ame a si mesma
Segundo Batya, o primeiro passo para se tornar uma mulher empoderada é aprender a se amar. “Entender que você deve ser a primeira pessoa a se valorizar te tornará uma mulher mais forte, além de lhe fortalecer a cumprir seu papel com a humanidade da melhor maneira possível”, ela diz. Ser mais poderosa, para a professora da Kabbalah, está relacionado a entender que “você é essencial para a construção de um mundo melhor”.

2. Entenda a regra da “Causa e Efeito”
Um dos principais conceitos da Kabbalah é o da “Causa e Efeito” – somos responsáveis por todas as decisões que tomamos. “Infelizmente, isso é algo que o ser humano ainda não aprendeu e continua culpabilizando outras pessoas por seus próprios atos”, explica Batya. “É um ciclo sem fim que causa dor e sofrimento”, ela acrescenta sobre a importância de aceitarmos nossas ações e acatarmos as reações, o que nos leva a “conviver melhor em comunidade já que paramos de atacar o próximo”.

3. Siga as “Leis do Universo”
Batya explica que a Kabbalah acredita que as pessoas são energias imortais, presentes no planeta Terra para viver experiências humanas. Nós, segundo a filosofia, somos regidos por “Leis do Universo”, que “funcionam na mesma sintonia do amor e sempre caminham para o bem”. Ao termos consciência dessas leis e ao seguirmos seus princípios, “nos tornamos maiores e melhores para todos as causas que queremos defender”, de acordo com a especialista.

4. Acorde a força que há dentro de você
“Mulheres são gigantes adormecidos, que ainda não entenderam o poder que esteve com elas desde sempre”, afirma Batya. Para ela, a Kabbalah é uma filosofia que pode ensinar a ativar essa força interior e tornar você a melhor versão de si mesma. O resultado?

5. Não dependa do amor ou da aprovação de outras pessoas
“Nenhum homem vai te fazer feliz, isso é um mito de que alguém vai lhe fazer feliz ou que você precise de alguém para te dizer que você está bem, para que você se sinta bem”, conclui Batya. Um dos principais passos para se tornar a mulher empoderada, que você já é, está relacionado com valorizar sua força ao invés de esperar a aprovação externa. “Ninguém precisa lhe dizer o quão maravilhosa você é para isso ser verdade, basta acreditar que você realmente é”, ela diz.

  • Batya Solomon dará palestra em São Paulo e no Rio de Janeiro sobre os princípios da Kabbalah e o empoderamento feminino