Top

Black F****** Tie

Um ano de Cine Joia, nova edição do gala de Facundo Guerra e cia. RG conta

RG é da noite, você sabe. Não nega uma boa festa, tem o line up dos shows do ano colado na parede e, vez ou outra, vem trabalhar de ressaca. Natural, portanto, vibrar com os bons projetos feitos para os notívagos da pauliceia desvairada. Um deles é o Cine Joia, casa de shows de Facundo Guerra, Marcelo Beraldo, André Juliani e Lúcio Ribeiro, instalado em pleno caos (no melhor dos sentidos) da Liberdade. Introdução para contar que o Cine Joia completa um ano de vida, já fazendo história. Para comemorar, um gala, assim como na festa de estreia, o Black Fucking Tie (gala do jeitão deles, claro).
No próximo 10 de novembro, uma quinta-feira, o antigo cinema da década de 50 receberá a Orquestra Brasileira de Música Jamaicana, entoando clássicos da música nacional. Espere ouvir “Carinhoso”, “Trenzinho Caipira”, “Tico-tico no Fubá”…. mais ritmos como ska, reggae e early rocksteady. Lúcio Ribeiro, sócio da casa, jornalista e perito musical, completa o line-up, junto ao mestre Marky. A noite será para convidados, mas haverá 100 convites disponíveis para compra, por R$ 100.
Aqui, RG reproduz a carta dos sócios, “Cine Joia e seus 365 dias”. Boa, meninos.
“Em 11/11/11, às 11:11 da noite, começamos um projeto que sabíamos era muito maior que a nossa passada: construir o palco que serviria pra mostrar a expressão estética de nossa geração. Cometemos alguns erros, outros acertos, mas o fato é que o volume de atrações que subiram ao palco do Cine Joia em seu primeiro ano de vida colocou São Paulo no mapa de um certo tipo de expressão que só tinha os palcos dos grandes festivais para se manifestar. Nos chamaram de templo indie, Meca hipster, Shangri-La dos “modernos”, mas a despeito da ironia transformamos aquele cinema, que um dia foi um lugar de estética, sexo e culto na Liberdade em um dos palcos mais desejados pelos artistas mais interessantes que temos hoje no Brasil e no mundo. O Cine Joia voltou para a cidade em grande estilo. De lugar de convivência para a comunidade apreciadora de filmes japoneses a lugar de convivência para uma geração obcecada por boa música.
Obrigado pela chatice, Kings of Convenience. Pelo descontrole, Foster the People. Obrigado Thurston Moore por um dos shows mais bonitos que já vimos. Obrigado, Inker. The Vaccines e enjoy.e , obrigado. Mark Lanegan Band, gracias. Friendly Fires e Geo Eventos, obrigado. Obrigado PopLoad Gig: Tame Impala, Rapture, Feist e tantos shows inesquecíveis. The Mission, Pink Industry, obrigado. Ting Tings e T4F, Nada Surf, Antibalas, Bruno, obrigado. Zorn’s Masada e CCJ, obrigado. Atari Teenage Riot, Ladytron, Delinquent Habits, Diary of Dreams, The Naked and Famous, James, Man or Astroman, of Montreal, The Asteroids Galaxy Tour e Alive Concerts, Pepper, Rapture, Breakbot, TV on the Radio, muito obrigado. Salve, Criolo. Aquele abraço, BNegão. Respeito, Pavilhão 9, Lurdez da Luz, Bixiga70, 5 a Seco, Teatro Mágico, Lucas Santtana, Curumin, Família Rodrigues, Boss in Drama, SILVA, Marcelo Jeneci, Tulipa Ruiz, Nasi, Brothers of Brazil nosso muito, muito obrigado.

Completamos um ano graças a estes artistas, estamos a caminho do nosso centésimo show, mas agradecemos, acima de tudo, nossa audiência. Queremos mais 11 anos!

Nós, do Joia.”

Mais de Festa