Cultura

Por Redação 28.04.2019

No país da abstinência, não basta ter visto de turista: é preciso ser cidadão

A abstinência é ao mesmo tempo uma meta e um estado. Simples assim. Nada além disso. Um lugar a ser atingido. Mas que lugar é esse? Mais ainda, o que significa passar a ser parte dele, ou seja, tornar-se “um abstinente” ou “um abstêmio” – como muitos gostam de dizer, em evidente oposição ao “boêmio”? Que país é esse?

As pessoas ingressam nesse mundo de diferentes maneiras e com diferentes propósitos. Há aqueles buscam a interrupção do consumo como uma forma de desintoxicação, geralmente combinada com atividades relaxantes – contato com a natureza, práticas artísticas, meditação – para saírem momentaneamente de suas rotinas estressantes, típicas da urbe contemporânea. Há ainda aqueles que decidem “dar um tempo” no seu consumo de substâncias por incontáveis motivos – para perderem peso, para cumprirem uma promessa ou até para alcançarem um objetivo, tornando a conquista ainda “mais valorosa”. Em geral, os que procuram os domínios da abstinência de modo “intercambiário” fazem da substância “uso social”, “recreacional” ou “de baixo risco”, como se diz tecnicamente. São pessoas com dupla cidadania, que consumem substância de modo controlado e param sem esforço, na hora que decidem ou precisam.

Existem, porém, aqueles que, ao longo da vida, se vincularam ao seu uso de maneira tal, que acabaram se tornando dependentes. Nesse caso, não são mais as demandas do cotidiano que moldam o consumo dessa pessoa, mas o consumo dessa pessoa que molda as demandas do cotidiano. Mas nem sempre essa mudança é observada de forma lógica e clara – especialmente por quem está usando nessas circunstâncias. Muitas dessas pessoas acreditam que ainda conseguem ir e vir sem apresentar nenhuma complicação. É a fase em que diversos “incidentes diplomáticos” começam a aparecer – faltar aos compromissos, “dar perdidos” em casa para usar, mentiras bizarras de tão descabidas -, todos ocorridos em situações em que a abstinência deveria ser a regra ou para justificar a injustificável ausência dessa. São pessoas que há muito perderam o seu passaporte de cidadãos da abstinência, vivem apenas no mundo do consumo, mas ainda acham que o seu documento de “abstinente” tem validade. Nitroglicerina pura.

Há outros nessa mesma situação que ainda conseguem passar um tempo abstinentes, de modo rápido e superficial. São usuários que apesar de consumirem substâncias psicoativas dentro de um padrão de dependência – em geral leve ou moderada – , quando se afastam geograficamente destas – em viagens a passeio ou a negócios – ou estão perto de pessoas que recriminam frontalmente aquele hábito, deixam de usá-las “quase espontaneamente”, sem sentir vontade ou fissura. Certamente há uma diferença entre esses dependentes e aqueles. Ambos perderam sua cidadania de abstinentes – e consequentemente os seus passaportes –, mas esses últimos, ainda conseguem “vistos de turista” para ingressar no mundo na abstinência.

Pode até parecer autocontrole, mas não é: a interrupção apenas se deu porque foram instituídas medidas externas de contenção sobre o acesso e a demanda desses usuários. Além disso, porque o cérebro – que já mapeou o mundo de cabo-a-rabo para o uso contínuo – sabe que, a uma hora, as férias ou a temporada de visita dos tios vão acabar e ele vai poder – à custa de hábitos, apelos de vontade e fissuras – timonear novamente aquela pessoa, rumo à próxima dose, dentro do padrão de consumo ao qual aquele usuário está habituado a utilizar suas drogas.

Mas há aqueles que se veem na necessidade de abandonar para sempre o país do consumo, em prol de uma abstinência estável e perene. Alguns migram abruptamente e em desespero para a abstinência, como um refugiado faminto e cadavérico. Outros, são exilados do mundo do consumo contra a sua vontade. Há os que pedem asilo nesse mundo tão diferente no qual conviviam sem nada dele entender previamente, enquanto há aqueles que se mudam para lá com mais estrutura – com um visto de trabalho, uma moradia, com cidadãos abstinentes que o acolhem.

Independentemente da forma de chegada, os passos seguintes são voltados para a aquisição da cidadania permanente. E isso só começará a ser tornar possível no momento em que o usuário entender que, no país da abstinência, não basta estar livre das substâncias e que o tempo decorrido “limpo” é relativo, “um mero detalhe importante”. Em lugar disso, é preciso decifrar os seus códigos de convivência e entender a sua beleza ainda que, ao final, não lhe agrade esteticamente. É preciso aos poucos sair do isolamento, dos guetos – por mais que o convívio com pessoas vivendo as mesmas dificuldades seja essencial para romper essa barreira. É preciso ter ganhos e alcançar vitórias nesse país: diplomas, novos relacionamentos – ou resignificá-los –, promoções no trabalho, um cantinho só seu, novos modos de diversão e entretenimento, amores. Claro, também é preciso encarar os fantasmas e retirar aqueles esqueletos do armário – um trabalho de retomada de consciência e de espiritualidade árduo, mas que abre espaços vitais para os processos de retomada da vida mais concretos. A recuperação levada cabo de forma eficiente é uma sucessão de fatos novos que estruturam um novo modo de ser, possível e viável, no qual a vida flui novamente de forma autônoma, porém agregadora. Eis a cidadania da abstinência novamente reconquistada.

Ah! Faltou aquela última decisão: de jogar fora ou manter consigo o passaporte do mundo do consumo. Infelizmente, esse não tem prazo de validade e sempre vai estar prontinho para ser usado. Desse modo, deixá-lo guardado – só para mostrar que visitou diversos “estados” e que é forte – ou  (pior) largado em alguma gaveta ou dentro de algum livro perdido para ser encontrado ao sabor do destino, não é sinal de sabedoria. A sabedoria da recuperação não emana apenas da força de dizer não para o consumo, mas também – ou principalmente –, da determinação de dizer sim para a abstinência. Boa viagem.

Marcelo Ribeiro, psiquiatra, membro do Programa de Pós-graduação do Departamento de Psiquiatra da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), docente do Curso de Medicina da Universidade Nove de Julho (Uninove), diretor do Centro de Referência de Álcool, Tabaco e outras Drogas (Cratod) da Secretaria do Estado da Saúde de São Paulo, presidente do Conselho Estadual de Políticas sobre Drogas de São Paulo (Coned). 

 

 

  • passaporte