Beleza

Por Redação 13.02.2020

Cuidados com a pele devem ser feitos com o auxílio de um profissional, alertam especialistas

Olhar no espelho e desejar mudar algo é comum. Seja uma olheira, uma sarda ou até mesmo algo mais complexo como mexer no nariz. A cada ano que passa, o número de pessoas interessadas em procedimentos estéticos para rejuvenescimento aumenta.

SIGA O RG NO INSTAGRAM

Em 2019, o processo mais procurado no Google, de acordo com a plataforma de marketing digital SEMRush, foi a limpeza de pele, com 543 mil buscas. Em seguida, vem a bichectomia, com 529 mil pesquisas. No ranking, ainda aparece a depilação a laser, com 529, e o preenchimento com ácido hialurônico, com 513 mil procuras.

No entanto, é preciso escolher um profissional da área para seguir adiante com a ideia de realizar o procedimento, já que ele é capacitado para diagnosticar doenças de pele, unhas e cabelo e prescrever um tratamento adequado. A recomendação é feita pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e é possível encontrar dermatologistas no RJ, SP, BA, CE e em todos os outros estados brasileiros que são habilitados para isso.

“Cada paciente é único, e existem indicações e contraindicações para todos os procedimentos e tratamentos. A pessoa tem que ser amplamente avaliada, não somente na parte que ela quer realizar um procedimento. É preciso consultar, fazer exames, entender os benefícios e os riscos de cada passo. Então, procurar o dermatologista no começo é a melhor conduta”, reforça Alessandra Romiti, médica credenciada na SBD.

Para verificar a veracidade do registro profissional do médico, basta consultar gratuitamente o site do Conselho Federal de Medicina (CFM) e CRMs, e, no caso dos dermatologistas, também é possível checar pela plataforma da SBD.

Padrão de beleza

Para Ana Cláudia de Brito Soares, dermatologista membro da diretoria do Departamento de Dermatologia da Associação Médica de Minas Gerais, o padrão de beleza imposto pelas revistas e outros meios de comunicação tem gerado a necessidade de pertencimento, e algumas pessoas perdem o limite nas mudanças. “Excessos de procedimentos geram rostos caricatos”, afirma ela.

Esse padrão pode ser o responsável pela alta no número de procedimentos estéticos entre adolescentes. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), nos últimos dez anos, houve um aumento de 141% no número de procedimentos entre jovens de 13 a 18 anos. Apenas em 2016, o último ano em que a entidade realizou a pesquisa, 97 mil procedimentos foram realizados por adolescentes de até 18 anos.

  • foto: arquivo harper's bazaar