Cultura

Por Mariana Gonzalez 27.02.2018

Aos moldes de NY, Paulista ganha dia de ‘intercâmbio cultural’ entre museus

Não é de hoje que, aos domingos, a Avenida Paulista se transforma em um grande centro cultural a céu aberto. Desde 2015, quando o projeto Ruas Abertas começou a interditar uma das vias mais famosas da cidade todo final de semana, paulistanos e turistas se apropriaram do espaço, atraídos pela grande oferta de cinemas, museus, parques e atividades físicas.

Em 2017, a oferta que já era grande cresceu: apareceram por ali a Japan House e o Instituto Moreira Salles, ótimos espaços dedicados às artes visuais. Tanta oferta cultural gerou um recorde de público de 100 mil pessoas passando por ali em um único domingo!

Agora, no dia 11 de março, as duas novas casas se unem a outras quatro, já tradicionais na região, em uma iniciativa batizada de Paulista Cultural.

Durante 12 horas, MASP, Casa das Rosas, Centro Cultural FIESP, Itáu Cultural, Japan House e Instituto Moreira Salles terão programação exclusiva e totalmente gratuita em diversos espaços, dentro e fora dos museus.

Além da programação tradicional, cada um desses espaços vi abrigar pelo menos uma intervenção artística de outro espaço, promovendo um grande intercâmbio cultural.

“A ideia é que o visitante de um museu conheça a proposta do espaço vizinho e se sinta convidado a esticar o passeio. Tudo isso foi pensado em colaboração com curadores dos seis museus, todos muito animados com a parceria”, conta Natasha Geenen, diretora cultural da Japan House.

Nessa mistura, uma atração que merece destaque são as aulas de Batekoo que acontecem no vão do MASP. No dia do evento, é o Itaú Cultural que vai vibrar ao som da dança, uma mistura de twerk, funk e kuduro.

A Japan House, por sua vez, promete encantar com um espetáculo de Kamishibai, forma de apresentar contos milenares japoneses por meio do teatro e do desenho, no jardim da Casa das Rosas, às 11h30.

O Paulista Cultural é inspirado no projeto Museum Mile, que acontece desde a década de 1970 em Nova York, reunindo anualmente grandes museus da Quinta Avenida em uma só programação.

Por aqui, a ideia é a mesma: transformar a parceria em um evento permanente, sempre em março. “Escolhemos ocupar um dos últimos domingos do verão para aproveitar as altas temperaturas e o clima de carnaval, que ainda está nas ruas”, explica Natasha.

Além dos seis museus citados, a programação recebe o apoio de outros nove espaços culturais, como o Conjunto Nacional, o Mirante 9 de Julho e a Reserva Cultural. A Livraria Cultura, por exemplo, terá uma feira de livros com descontos especiais e cinemas como o Caixa Belas Artes oferecerão ingressos a preço de meia entrada.

Para Marcelo Tápia, diretor da rede de museus Casas Literárias de São Paulo, da qual faz parte a Casa das Rosas, a chegada desses espaços levaram o projeto a outro patamar: “Nosso maior desafio foi diversificar a programação a ponto de atender um público tão heterogêneo que frequente a avenida e esse resultado só foi alcançado graças a colaboração dessas nove instituições”, afirma.

A programação está sendo divulgada aos poucos nas redes sociais do evento. Vale a pena ficar de olho!

  • O MASP é um dos principais palcos do evento