Cultura

Por Redação 25.05.2016

Transa Amazônica, por Fabiano Moreira

Novos artistas do Pará recriam o imaginário amazônico: é um mundo novo que começou nos trabalhos de Lucas Estrela, Kid from Amazon e Uaná System


Por Fabiano Moreira*

Não é novidade que Belém é um celeiro de grandes talentos e novidades. Depois de dar à música brasileira nomes como Dona Onete, Gaby Amarantos e Gang do Eletro, a cidade continua se reinventando. Novas interpretações tecnológicas e contemporâneas do imaginário amazônico mostram todo um novo mundo cultural que começou, por lá, em trabalhos de novos nomes como Lucas Estrela – guitarrista que segue a trilha de Mestre Vieira e Pio Lobato e acaba de lançar o disco de tecnoguitarrada “Sol ou Moscou” -, na música eletrônica piscodélica movida a ahayuasca do projeto Kid from Amazon, de Rafael Lima, e na volta do Uaná System, projeto capitaneado por WaldoSquash e Luan Rodrigues, que remixa aos olhos dos dias de hoje clássicos do carimbó e outras tradições paraenses.

Lucas Estrela, 24 anos, já foi roadie de todos os grandes do Pará, como Gaby Amarantos, Dona Onete e a dupla Felipe e Manoel Cordeiro. “Sempre gostei de trabalhar no palco. Mesmo que não seja tocando, mas como roadie ou fotografando, sempre foi um prazer. Além de estar perto de grandes amigos da música, contribuo para o espetáculo”, conta o menino, por e-mail, ao falar de seu primeiro disco, “Sal ou Moscou”, lançado em fevereiro e ainda pouco falado aqui pelo Sudeste. Lucas lança um novo olhar sobre o tecnobrega e a guitarrada, ao misturar os dois ritmos, em um disco sensorial que nos leva a cenários paradisíacos, uma releitura pop que bebe de fontes diversas como a surf music e a música eletrônica. Pra conferir, assista ao clipe de Esquina do Veropa, uma homenagem a cenas cotidianas de Belém, e veja como funciona o one man show do moço no vídeo ao vivo de Sal ou Moscou. Ele faz show no Rio no dia 25 de junho.

Está preparado para fritar? O chillwave do projeto experimental Kid From Amazon é uma grande e deliciosa novidade amazônica. Capitaneado pelo jovem Rafael Lima, de apenas 19 anos, o Kid from Amazon já tem dois álbuns prontos, “Musgo Vibes” e “Amazon Dark Fruit”, e é um dos raros produtores da cena eletrônica nacional que não erra uma. É só fazer o teste: entre em seu Soundcloud e ouça do começo ao fim, não tem um minuto de queda em sua profícua produção. As faixas fazem releituras de contos amazônicos com um toque de tecnologia e introspecção, tudo movido a uma espécie de alucinação tranquila de ahayuasca. Pra entender melhor o clima, é só assistir aos clipes de Floating Forest e Falsos abraços para conhecer este Pará ambiental e melancólico.

Pra terminar a transa amazônica, não poderia deixar de falar do retorno do Uaná System, projeto capitaneado pelo grande WaldoSquash, criador da Gang do Eletro e produtor do primeiro disco de Gaby Amarantos, ao lado do jovem Luan Rodrigues, que fazia o visual dos shows da Gang. Luan assina a capa do disco do Lucas Estrella e é o grande nome do design em toda esta reinvenção do imaginário amazônico, como pode ser visto nos gifs indígenas alucinados aqui da matéria. O Uaná usa elementos tecnológicos para reiventar as referências da Amazônia, remixando clássicos de carimbó, siriá, lundu, cumbia e guitarrada e artistas como Mestre Verequete, Pinduca e até Fafá de Belém. Eles se apresentam, no próximo sábado, dia 28, na Claps!, no Deck do Amor, no Aterro do Flamengo, no Rio.


*Fabiano Moreira é jornalista e já passou pelas redações de O Globo, Mix Brasil e, também, de RG. É produtor da festa Bootie Rio, a única 100% mashups do lado de baixo do Equador. 

 

  • Lucas Estrela Foto: Gustavo Aguiar/Divulgação
  • Kid from Amazon Foto: Carolina Menezes/Divulgação
  • Kid from Amazon Foto: Jhonatan Roldão/Divulgação
  • Kid from Amazon Foto: Jhonatan Roldão/Divulgação
4